O QUE É ARGININA? Benefícios e Efeitos Colaterais 2019

Vote neste post
O QUE É ARGININA? Benefícios e Efeitos Colaterais 2019

É um aminoácido básico, sendo o principal responsável por carregar nitrogênio em humanos e animais, além de que ela é parte constituinte de outras moléculas importantes como a por exemplo, a ornitina, a creatina, a agmatina, entre outros. Já na parte estrutural (nível molecular) de seu RNA mensageiro, a arginina é codificada pelos seguintes códons: AGA, AGG, CGA, CGG, CGC, CGU. Ela se trata de um componente parcialmente essencial para os seres humanos, pois ele pode ser sintetizado para atender as necessidades fisiológicas dos indivíduos, além de apresentar uma grande importância no processo de cicatrização e na manutenção do sistema imunológico.

A arginina atua no corpo aumentando a energia e reduzindo o processo de regeneração muscular após as atividades físicas, além de promover um aumento no fluxo sanguíneo no corpo.  Por ser um aminoácido semi-essencial, ela possui uma grande atuação no processo de síntese de proteínas no organismo, o que faz com que ela seja indispensável para que aqueles que buscam um aumento no ganho de massa magra, além de ser um excelente aliado no processo de redução da gordura corporal. Outros efeitos da arginina no corpo é a produção do hormônio do crescimento (o conhecido GH), da insulina e glucagon, que são essenciais para uma melhor performance nos treinos e atividades físicas. Ela é um aminoácido sintetizado pelo organismo em situações normais através do consumo de alimentos como carne vermelha, carne de aves, peixe, entre outros alimentos proteicos em especial vegetais.

Porém, em casos de pessoas que praticam atividades físicas intensas como a musculação, a ingestão normal da arginina se torna insuficiente e é nesse ponto que a suplementação se torna algo útil e viável, já que irá auxiliar bastante nos ganhos de resultados. Fazendo a ingestão de uma suplementação à base de arginina, a fadiga muscular é consideravelmente reduzida e assim é possível obter uma melhora significativa no desempenho físico em exercícios e atividades físicas, uma vez que promove a vasodilatação, além de reduzir o uso de glicose pelos músculos.

O óxido nítrico, substância que é produzida pela ingestão de arginina, auxilia na resistência muscular tanto para duração como para intensidade nos treinos. Outras funções da arginina também estão associadas há um menor tempo de recuperação de exercícios entre os treinos, um menor tempo de cicatrização de feridas, melhora do desempenho sexual em homens com problemas de impotência, inibição de inflamações e a diminuição dos efeitos de doenças relacionadas ao envelhecimento como artrite, hipertensão e diabetes. Apesar deste aminoácido ser de suo relativamente fácil e possuir diversos benefícios, os seus resultados plenos só podem ser totalmente adquiridos somente com a orientação de um profissional especializado. Além disso, a sua utilização também precisa estar ligada a uma alimentação saudável, bem como a uma rotina fixa de exercícios físicos, caso contrário não haverá resultados.

QUAL A FUNÇÃO DESTE AMINOÁCIDO?

A principal função da arginina é o transporte de nitrogênio nos seres vivos, fazendo um papel importante no processo de síntese de moléculas muito importantes. Mas a sua real importância está na manutenção dos responsáveis pela defesa imunológica e na cicatrização de feridas, sendo estes os seus benefícios mais conhecidos. Esse aminoácido possui inúmeros benefícios além dos que já foram citados, sendo o seu consumo por meio de suplementação um excelente método para estimular a produção de linfócitos (conhecidos como glóbulos brancos, são os grandes responsáveis pela defesa do nosso organismo). Além disso, a arginina ajuda no processo de inibição do crescimento de vários tipos de tumores (tanto benignos, quanto malignos); estimula também a secreção do hormônio de crescimento (o GH), ajuda no processo de cicatrização (aumenta o número de plaquetas e linfócitos); reduz a perda de massa muscular após cirurgias e tratamentos; previne problemas e auxilia no tratamento de doenças do fígado, além de ser essencial para muitos outros processos.

A arginina ainda está presente no processo de síntese do óxido nítrico, o qual é responsável pela vasodilatação, o que consequentemente acaba levando mais sangue e oxigênio para tecidos e órgãos, contribuindo com uma melhora de saúde destes. Pesquisas ainda demonstram que, inclusive, ela é eficaz para reduzir sintomas de ansiedade, se ingerida em doses pequenas e controladas.

QUAIS OS BENEFÍCIOS DA ARGININA?

Uma dieta de suplementação de arginina é excelente para ajudar no processo de formação de músculos e tecidos corpóreos, isto se deve ao fato dela ser um nutriente que proporciona uma melhoria da circulação sanguínea e no processo de regeneração das células. Desta maneira, este aminoácido é uma excelente forma de nutrir o corpo e auxiliar a obter resultados melhores, pois possui diversos benefícios. Alguns exemplos são:

– Auxilia na recuperação da fadiga muscular e do cansaço físico, propiciando um melhor desempenho muscular.

– Facilita o processo de desenvolvimento muscular, pois provoca uma vasodilatação, causando um aumento de oxigenação dos músculos e aumento o fluxo sanguíneo.

– Aumenta a velocidade de cicatrização, auxiliando no processo de formação de tecidos corpóreos.

– Auxilia na eliminação de toxinas do organismo, aumentando a eficiência do fígado.

– Auxilia no tratamento de problemas de disfunção sexual, pois melhora a circulação sanguínea.

– Promove uma melhora na imunidade, estimulando a produção de células de defesa.

– Hidrata e fortalece os fios de cabelo, provocando um aumento na produção e formação de queratina, além disso, melhora a saúde dos fios, tornando os mais macios e brilhantes.

Porém para que seja possível alcançar todos estes benefícios, deve-se passar a fazer uma ingestão regular de alimentos ricos em arginina ou começar a fazer o uso de uma suplementação com orientação de um especialista, seja ele um médico ou nutricionista.

COMO USÁ-LO?

Em geral, o uso desse aminoácido é feito de forma oral, através de comprimido ou líquido, sendo a dose recomendada bastante variável entre os fabricantes. É recomendável consumir a arginina duas vezes ao dia: a primeira dose, logo ao amanhecer; a segunda, após o treino. Os médicos costumam recomendar de 50 mg a 30 g do suplemento diariamente. Ela pode ser encontrada em diversos alimentos que consumimos no dia a dia, como por exemplo, os feijões e a carne vermelha. Já em relação à L-arginina (outro tipo de arginina que pode ser encontrada no mercado) a dose recomendada pelas empresas que fabricam e fornecem estes suplementos, a dose recomendada varia em torno de 1500 a 5000 mg por dia (que corresponde aproximadamente cerca de 3 a 4 comprimidos por dia). Porém, as doses podem variar de acordo com algumas características individuais específicas, como por exemplo, o sexo, idade, peso, tipo físico do atleta, seus hábitos alimentares, seu nível de condicionamento físico e condições de saúde de cada um dos indivíduos que pretendem fazer o uso da arginina. Dessa maneira, cabe a um profissional especializado (um médico ou nutricionista) avaliar a necessidade do paciente e prescrever a quantidade a serem consumidas diariamente. Além disso, não é aconselhável manter dosagens altas por um longo período de tempo, pois isso pode acabar gerando tensões e estresses no fígado e alguns prejuízos renais, já que isto fará com que eles sejam muitos usados.

QUAIS OS EFEITOS COLATERAIS?

Na forma de suplemento, o consumo deste aminoácido pode trazer alguns efeitos adversos, que dependem de certos critérios, como a estrutura física e genética de cada indivíduo. Antes de mais nada é preciso destacar que quando o indivíduo se submete a ingestão do produto por um período curto, a suplementação desse aminoácido não chega a oferecer riscos reais para a grande maioria dos indivíduos. No entanto, se ela for consumida de uma forma errônea e por muito tempo, a arginina pode causar alguns desconfortos e problemas para o seu organismo. Os principais efeitos colaterais devido ao uso da arginina são: náuseas, vômitos, câimbras abdominais e diarreia podem ocorrer em casos de alta dosagem, possibilidade de não ganhar massa magra pelo mau uso, além de que em alguns casos mais raros podem ocorrer dores de cabeça e pressão baixa.

QUAIS AS CONTRAINDICAÇÕES?

O uso deste aminoácido não é indicado para as pessoas que são portadoras do vírus herpes simplex, portadores de doenças hepáticas e renais, mulheres grávidas ou em período de amamentação, em casos de hipersensibilidade a este aminoácido, pessoas que apresentam quadros de asma ou alergias. Além disso, o uso não é aconselhável para pessoas com histórico de problemas com pressão arterial baixa, com aquelas que já tiveram um ataque cardíaco ou que tenham problemas com a coagulação do sangue também não devem fazer o consumo deste suplemento. A arginina pode aumentar os níveis de açúcar no sangue, sendo assim, os diabéticos devem ter cautela ao fazer a ingestão dela, além de que o consumo de arginina pode piorar os sintomas de pacientes com anemia falciforme.

ONDE ENCONTRAR?

Como ela é um aminoácido semi-essencial, é relativamente fácil de obtê-la através de alguns alimentos, como cereais, feijão, carnes vermelhas, morangos, kiwi, caranguejos, camarões e muitos outros. Mas em casos de suplementação, pode-se obtê-la em lojas físicas especializadas ou em site de vendas de suplementos confiáveis, mas devemos sempre buscar aconselhamento e acompanhamento especializado para maximizar os ganhos e os benefícios que a ARGININA podem trazer.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

Deixa uma mensagem no whatsapp, responderemos assim que possível.

(11) 94272-6195